terça-feira, 15 de setembro de 2015

Eu é mais bolos

O prémio do melhor pastel de nata que já fez o percurso digestivo desta vossa vai para o da Manteigaria União. Melhor dizendo, "os", que uma pessoa não se pode fiar nas primeiras impressões, há que ter um certo rigor científico e repetir a experiência para verificar resultados. Verificadíssimos. Massa fininha-fininha; estaladiça-estaladiça; natinha cremosa-cremosa, e nada enjoativa (o mal de muitos é o excesso de açúcar, nhéc).
Sim senhora, já sei que a Aloma é que ganhou o prémio da melhor natinha lisboeta, mas não me fica em caminho, lamento. Sim senhora, já sei que abriram um balcão no ECI, hei-de tratar disso. Mas, até ao momento, e na categoria there's a party in my mouth an everyone's invited, a União 'tá lá. Além de que o atendimento é muito querido, há que dizer. Aquilo costuma estar empacotado de gente, turistas, na sua maioria, que é a única razão para não ter lá ido há mais tempo. Mas a um domingo pós-sessão intelectualoide* ali no Ideal, é exequível. E, pasme-se, os tugas são bem-vindos e mui bem tratados. Conquistaram-me definitivamente ao ver a forma carinhosa, familiar e galanteadora com que trataram um par de velhotas domingueiras, decerto clientes habituais, que foram ali ao seu lanchinho. Cinco estrelas.

(*passada mais de uma semana, ainda não decidi completamente se gostei d'As Mil e Uma Noites, mas acho que sim, porque quero ver os restantes volumes. o que é contraditório, eu sei. aquilo tem momentos de génio, mas depois tem os habituais e constantes e maçadores defeitos de tooodo o cinema português, a saber, o abuso da narração e voz off, uma certa deriva, o excesso de linguagem rebuscada. mas acho que gostei. sim, gostei. mas também não sei explicar porquê. credo.)

19 comentários:

  1. Manteigaria, sem dúvida nenhuma o melhor pastel de nata que já comi, confirmado muitas e muitas e muitas vezes.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oh pá, da próxima trago um caixote deles.

      Eliminar
  2. hã, então o melhor pastel de nata não era o da aloma? (que não é, porque também eu já caí na asneira de ir atrás da turba e provar e achei que a massa não era boa, talvez só o recheio possa ser considerado bastante bom)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Isso, Aloma! Eu troco o nome a tudo, caneco, já corrigi. Esses ainda não provei. Mas os da Manteigaria têm uma massa tão fina que é milagre não se romper, mas fica tão estaladiça, que maravilha. Tudo no ponto.

      Eliminar
    2. :)
      Só espero que o Vasco Pulido Valente não venha aqui parar, porque segundo ele, nós, os portugueses, temos uma obsessão nacional por comida. Nem sei o que ele diria (sim, já sei o que me vais responder, que te estás a marimbar para o que ele diria, eheheh) sobre ir de excursão de propósito a um determinado sítio só para comprovar se os pastéis são bons.

      Eliminar
    3. Ir de propósito a um sítio para comer é melhor que ir de propósito a um sítio para comprar aquilo de que o Vasquinho se alimenta. Há lá coisa melhor que o quemer?

      Eliminar
    4. ahaha, tu tens uma língua tão viperina quanto ele, é o que vale. Para quando um debate na tv entre titi Izzie e titio vasquinho? esse sim, é que ia ser o debate com maior audiência de sempre.
      :)

      Eliminar
    5. Aqui entre nós, posso não concordar sempre, mas tenho simpatia pelo tipo. Gosto de gente maldizente, que fazer. Acho que fazem falta (esta opinião é um misto de verdade e auto-preservação, a ver se ninguém me mata).

      Eliminar
    6. Ah, e um aparte, a comprovar que ele também tem razão noutra coisa (que os trabalhadores são uma corja de chupistas). Já lia o teu blogue novo há uns tempos, mas só agora que voltei definitivamente ao trabalho (depois de licença e férias intermitentes) é que voltei a ter tempo (pago pelo patrão, evidentemente), para comentar e ler os textos decentemente com atenção. Yey!

      Eliminar
    7. Ah, sim, de facto, na realidade não são só os trabalhadores (isto era a minha costela anti-pessoas de direita a falar). Nisso eletem mérito: ele acha que toda a gente, todos os grupos sociais, são uma corja :)

      Eliminar
    8. E ele, faz parte de que grupo social?

      (eu nas férias também não tenho muito tempo para net, há coisas importantíssimas para tratar. prioridades.)

      Eliminar
    9. o RAP já respondeu a isso. O vasquinho faz parte daquele grupo de pessoas que parou no séc. xix e o mundo só não acabou ainda para ele, VPV, poder continuar a dizer mal de tudo e todos.

      Eliminar
  3. Uma das melhores razões para sair de casa é para ir de propósito a qualquer sítio só pela comida. O VPV é um marreta útil.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Exacto. O quemer move mundos. E eu gostava muito dos velhos dos marretas, sorry :D

      Eliminar
    2. Também adoro os velhos dos marretas. São muito úteis para dizerem aquilo que montes de gente tem medo de dizer.

      Eliminar
  4. O melhor pastel de nata é de uma pastelaria aqui da terrinha, isso sim. 15-0 aos pastéis de belém e congéneres que já comi em lisboa. (mas nunca fui a essa manteigaria, não, e como manteigueira que sou acho que estou conquistada só pelo nome)

    ResponderEliminar
  5. (vou incluir essa no meu roteiro gastronómico para a próxima vez que for à capital - e sim, eu faço sempre roteiros gastronómicos para os sítios que vou visitar xD )

    ResponderEliminar
  6. Red, é melhor que os de Belém. Assim 15 a zero. Na boa. Desisti dos de Belém por serem demasiado doces, e a massa destes não tem explicação.

    E isso dos roteiros gastronómicos: pô, claro. Ir a um sítio para comer, ou já que lá se está, comer bem, é que é patriótico.

    ResponderEliminar
  7. Gostei mto do filme. Tem momentos deliciosos, e o facto de haver p ali "não actores" torna aquilo ainda melhor.
    Dos pasteis tb gosto, mas n vou comentar mto, q ultimamente acho q engordo só de falar :)

    ResponderEliminar