quinta-feira, 22 de junho de 2017

Resumo da matéria dada

Tenho muito azar a empreiteiros, ciquelistas, vizinhos, entregadores da Seur, expedidores e entregadores da Amazon, fregueses aqui da chafarica em geral (lobe iu!), porcaria de portarias em especial e legislação feita à pressa em geral, procedimentos administrativos com vista a simplificação e agilização com os quais a gente perde tempo em que podia estar a agilizar trabalhando, sandálias na cor que se precisava mas não há e óspois um gajo acaba por ser confrontado com sandálias na cor que não precisava mas são tão giras que traz à mesma e ao menos sempre compensa a frustração derivada de tudo o resto.

Ando muito cansada. E cançada, também. Acumulo.

Incompetência. Incompetência everywhere.

Eu aqui a contar as minhas agruras a uma colega de anos, e ela sugere* que eu venda a casa. Se eu pudesse vendia era os vizinhos. A preço de saldo e a maus donos.

[*já deixei de contar as vezes que ela me sugeriu o mesmo. e as alternativas também sugeridas, que envolvem benzeduras, exorcismos, idas a Fátima. sofro muito.]

segunda-feira, 5 de junho de 2017

Arkham Asylum

E depois chega o dia em que vês yo'mate corredor fora, felino mai'novo ao peito, descompondo-o de dedo em riste "tens de aprender a respeitar o espaço dos outros e parar de provocar os manos".
E achas tudo normal.

[sim, nós pomos o Max de castigo / em time out. melhores sugestões serão entusiasticamente acolhidas e acarinhadas]

sexta-feira, 2 de junho de 2017

Não acho normal (ou um post na onda do "sou só eu?")

- Que alguém se queixe que lhe dói a perna, por causa disso não se mexe normalmente, e ai o incómodo que tal lhe causa; e vir alguém remoer qualquer coisa como a ti dói-te a perna hoje, a mim dói já para cima de um mês, não te queixes, sabes lá o que é sofrer, sofrer sofro eu e estou aqui viva e não me queixo. A sério que não topam a ironia?

- Um agente fardado fazer uma selfie num local muito sensível em termos de segurança, pronto, uma pista de aeroporto, com um avião de uma banda de rock em fundo - e, se fosse gaja para isso, até se consegue, pelos prédios em fundo-fundo, perceber que pista ou local é - naquela do sou muita cool, e a minha corporação publicar isso na sua página, porque, lá está, também é muita cool. E não pode um gajo-cidadão-civil levar uma porra d'uma auguinha, não vá tratar-se de não sei quê para rebentar sei lá o quê.
(note to self: aqui no meu bules também, de quando em vez, aparecem umas figuras; fazer selfies com ditas em fundo e publicar)
(note to else, em aditamento: outras situações também muito giras, para polícias fardados ou outros profissionais fazerem selfies e publicar nas redes sociais: juiz/procurador na sala de audiências, com um arguido famoso; polícia com o meliante que acabaram de catar, à porta da esquadra; o médico/a no bloco de urgência, com cara de ooops, e paciente agora cadáver que não foi possível salvar; enfermeiro/a no bloco de partos, com o recém nascido preso pelos artelhos; assistente social com os mitras do dia; agente funerário a fazer a rábula de bater na madeira do caixão; assistente de bordo a deitar gotas de laxante no café; solicitador de execução com o tipo das chaves do Areeiro, a arrombar a porta da fracção que vão penhorar; qualquer cidadão a fazer corninhos ao presidente; tudo bastante dignificante, e adequado para mostrar a tooooda a gente)

- Existirem pessoas que devolvem crianças que receberam com vista à adopção. Até eu, que sou uma besta insensível (encartada! diplomada!) me arrepiei até ao tutano com o número de "devoluções" registadas num só ano e, pasme-se, a maioria de crianças pequeninas, mas mesmo, mesmo pucanichinhas. Nestas alturas gostava de acreditar em deusnossosenhor, para poder dizer que o altíssimo lá sabia, quando fez esta gente estéril (eu sei que nem toda a agente que adopta o é, mas adiante), mas depois também me ponho a pensar que raio de phoda é a selecção e acompanhamento das adopções, para haver estas situações. Pá, até eu - a tal besta insensível - sei que isto de filhos é uma lotaria, venham eles de dentro ou de fora, e que haverá muitos dias que aos pais lhes apetecerá esganar / abandonar no mato / rifar* os seus pequerruchos, mas precisamente o que define um pai/mãe é a incapacidade de desistir, o nunca ver um rebento como um caso perdido. Se não são capazes, olha, arranjos florais, peluches, cadernetas de cromos, macramé, todo um manancial de coisas para se entreterem e que, não correspondendo às expectativas, podem por de lado sem mal de maior.

[*mamãe dizia muitas vezes que um dia me rifava. e eu respondia que ninguém comprava as rifas, e pronto, prejuízo por prejuízo, ficávamos assim]

- [aditamento de fim de dia] Abriu em Lisboa um restaurante com o nome "colonial". A sério. Muito a sério. Porque não há nada mais shick, para não dizer shock, para celebrar e assinalar, em toda a nossa história, que esse período. O orgulho, de facto.
Da descrição no site:
Café Colonial is a place for conversation and sense of community, creating a feeling of a melting pot from Portuguese heritage around the world.
Ah, o sentido de comunidade que se vivia nesses dias, de facto.
E a paparoca? De truz, decerto:
Café Colonial dining experience is a celebration of the Lusophony roots through Portuguese and international dishes reflecting the influences of Portugal around the world especially in Brazil, Africa and Asia.
Epá, eu nem tenho palavras.
Já no menu:
"The roots of lusophony through traditional and contemporary dishes that reflect the portuguese identity and the influences from South America, Africa and Asia with a combination of flavours that will linger in your memory. Let yourself be surprised by this journey of flavours discovered by portuguese all over the world."
...
...
...
Vou mazé de fim-de-semana, que sou uma pessoa doente e não me posso enervar.